segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Duas mortes com tiros e facadas em Parauapebas no último sábado


A cidade de Parauapebas registrou no último sábado (26) mais dois homicídios, um deles com golpes de faca e outro com disparos de arma de fogo. As vítimas são, respectivamente, Jagno Campos Miranda, de 31 anos, por volta de 21 horas na praça de alimentação conhecida por "Costa pra Rua”, no Bairro Cidade Nova, e Bruno Sousa Leite, de 19 anos, no início da noite no Bairro dos Minérios.

De acordo com o que apurou a reportagem junto à polícia, Jagno Miranda foi assassinado com golpes de faca no peito depois de uma discussão por um morador de rua, até então foragido da polícia, que seria perigoso e responsável por outros três homicídios, e por isso já vinha sendo procurado pelas autoridades.

A confusão teria iniciado entre Jagno e uma mulher ainda não identificada.  Segundo a polícia, a vítima era traficante e teria xingado a mulher com palavras de baixo calão por causa de uma dívida de droga.

Em seguida, o assassino de Jagno teria se aproximado dos dois e também iniciado uma discussão com ele. Depois, o suspeito desferiu a facada no peito da vitima e fugiu do local.

Por engano
Já a execução de Bruno Leite a polícia está investigando para confirmar ou não se ele foi morto por engano no lugar de Alef Lima dos Santos, conhecido como “Pulmão”, que se encontra preso por ter sido flagrado com uma motocicleta roubada.

À polícia, Alef Lima nega que seja a pessoa marcada para morrer, mas admite que foi ameaçado há cinco meses, acusado de roubar a bateria de um caminhão. Alef acrescenta que um dos empregados do dono do caminhão ameaçou que se a peça furtada não aparecesse ele iria matá-lo.

Segundo o investigador Gomes, vizinhos informaram que Bruno era um menino bom e nunca teve passagem pela polícia. "Levantamos a ficha dele e não encontramos nenhuma ocorrência contra ele. Então, tudo leva a crer que foi acerto de contas com a pessoa errada", avalia o investigador de polícia, ratificando que Bruno possa ter sido morto porque foi confundido por ser muito parecido fisicamente com Alef Lima. (Vela Preta/Waldyr Silva)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Polícia ainda sem pista para esclarecer assassinato de mecânico de moto

Até o início da noite desta segunda-feira (21), a Polícia Civil ainda não tinha pistas que levassem à identificação, localização e prisão do elemento que na manhã do último domingo (20) assassinou com três disparos de arma de fogo o mecânico de motocicletas Alessandro Félix da Silva, 29 anos, natural de Salvador (BA).

O crime aconteceu na Rua Bom Jesus, entre as ruas Matusalém e Apóstolo Pedro, Bairro Betânia, em Parauapebas, nas proximidades da residência da vítima.

Conforme apurou a reportagem junto à polícia, Alessandro Félix transitava na via pública quando foi surpreendido com o primeiro disparo efetuado por um homem até então desconhecido que pilotava uma moto Honda Fan preta, de placa não anotada.

Ao ser atingido, o mecânico ainda correu alguns metros, mas foi alvejado com mais dois tiros na cabeça, vindo a falecer no local.

Segundo testemunho de vizinhos, dias atrás Alessandro Félix teria se envolvido em uma briga de bar com um homem, o que pode estar relacionado ao crime. (Vela Preta/Waldyr Silva)

sábado, 19 de novembro de 2016

Dois homens mortos na quinta e sexta-feira em Parauapebas

O município de Parauapebas foi palco mais uma vez de mortes violentas. Na última quinta-feira (17), Gerson Mário Pereira de Sousa, 39 anos, natural de Conceição do Araguaia (PA), foi encontrado morto com um tiro no peito e a garganta cortada. O crime aconteceu na localidade Carlos Fonseca, zona rural de Parauapebas.

De acordo com a delegada Ana Carolina, que responde pela Divisão de Homicídios, até a próxima semana o crime deverá estar totalmente solucionado, pois faltam apenas fazer a identificação formal do criminoso e solicitar a prisão do mesmo.

Parentes de Gerson contaram na delegacia que ele previa que poderia ser assassinado a qualquer momento, tendo, inclusive, informado que no fim do ano iria se mudar de cidade, por não se sentir seguro aqui.


A outra vítima foi Lázaro Mendonça, de 73 anos, cujo corpo foi encontrado na manhã desta sexta-feira (18), em avançado estado de decomposição, no Bairro da Paz. O resultado do exame de necropsia realizado pelo Instituto de Medicina Legal (IML) de Parauapebas vai apontar a causa da morte do idoso.

Conforme revelou Desman Ferreira de Melo, vizinho de Lázaro, ele foi visto pela última vez no domingo, dia 13. “Hoje [sexta] fomos chamar ele e nada de responder. Subimos na escada e vimos ele morto no chão, e aí acionamos a polícia”.

A reportagem apurou junto à vizinhança que Lázaro Mendonça era uma pessoa direita, alegre e brincalhona com todo mundo. (Vela Preta/Waldyr Silva)

sábado, 12 de novembro de 2016

Polícia investiga assassinato de adolescente com golpes de faca

A Polícia Civil abriu inquérito para apurar a motivação do crime que culminou no assassinato do adolescente Antonio Alexandre Silva de Sousa, de 16 anos, que morava na Rua Muru, Quadra 32, Bairro Casas Populares II, em Parauapebas.

O jovem foi assassinado com golpes de faca na manhã da última quinta-feira (10), na Rua Mearim, em uma área de invasão localizada no mesmo bairro onde ele morava.

De acordo com a investigadora Fátima, da Polícia Civil, ela apurou junto a testemunhas que a vítima e o assassino eram amigos, mas acabaram se desentendendo, por motivos ainda não explicados, e passaram a ter rixa um com o outro.

A polícia encontrou no local do crime duas bicicletas que, segundo a investigadora, já foram identificadas como sendo de dois irmãos, também adolescentes, que empreenderam fuga pela mata após o crime.

"Fizemos buscas no local junto com a Polícia Militar, porém só encontramos bonés e camisas deles jogadas pela mata”, afirma a investigadora, frisando que estiveram na casa onde moravam os adolescentes, mas a mesma estava fechada. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Guardas municipais de Parauapebas continuam presos em Goianésia

Presos desde o último sábado (5), suspeitos de terem participado de um homicídio na zona rural do município de Goianésia do Pará, na noite de sexta-feira (4), continuam detidos naquela jurisdição os guardas municipais Giego Lúcio Santos de Oliveira, Raimundo dos Santos Matos e Raimundo Nonato Garcia, lotados na Guarda Municipal de Parauapebas (GMP).

O crime ocorreu na Vila Janari, município de Goianésia, praticado por três suspeitos que teriam fugido em um veículo modelo Prisma, de cor preta, pela vicinal Mourão Madeira.

De posse dessas informações, uma guarnição da Polícia Militar se deslocou para a estrada e passou a fazer abordagem nos veículos que passavam pelo local.

Num dos veículos, com as mesmas características denunciadas, encontravam-se os três guardas municipais de Parauapebas, armados com pistolas 380, mas sem registro, e por isso foram autuados em flagrante.

Em declarações prestadas à reportagem, o comandante da GMP, Sérgio Pastana, informou que as armas apreendidas em posse dos guardas não pertencem à instituição.

"Tomamos conhecimento que aconteceu a detenção dos três servidores, acusados de terem cometido um crime fora dos limites territoriais de Parauapebas, mas ainda estamos aguardando mais detalhes, porque a apuração corre em segredo de justiça”, explicou Sérgio Pastana.

Segundo ainda o comandante, a instituição vai apurar a denúncia para garantir também o direito à defesa dos três guardas envolvidos, dar andamento no processo e encerrar com uma apuração mais rigorosa.

Sérgio Pastana disse ter apurado que a vítima, cujo nome não foi revelado, era uma pessoa evangélica que nunca esteve em Parauapebas e morava em uma vila rural. "Ao que parece, segundo informações da PC, esse fato teria sido motivado por alguma razão ligada àquela região".

Nota
Em nota de esclarecimento distribuída à imprensa, a corregedoria da Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão (Semsi) informa que estará solicitando abertura de processo administrativo disciplinar para apurar a denúncia e que os servidores ficarão afastados de suas atividades até a conclusão do processo. (Vela Preta/Waldyr Silva)

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Indivíduo é detido pela PM com arma falsa

O indivíduo Jaydson Carvalho, de 18 anos, acompanhado de um adolescente, foi flagrado por uma guarnição da Polícia Militar numa motocicleta Honda Fan preta, roubada, e portando uma arma falsa, conhecida pela polícia como simulacro.

A apreensão do veículo e da arma falsa, e a detenção da dupla ocorreram na última segunda-feira (7), às proximidades da Praça dos Metais, em Parauapebas.

De acordo com o sargento PM Leomar, sua guarnição seguia em perseguição a outro suspeito, quando a dupla passou pela viatura em atitude suspeita e foi avisada a parar. O elemento que portava o simulacro ainda tentou se livrar do objeto, jogando-o ao chão, mas foi flagrado pelos militares.

No sistema da polícia foi constatado que a motocicleta era roubada. Os suspeitos confessaram à guarnição que iam começar naquela hora a cometer assalto.

A reportagem tentou ouvir a versão de Jaydson Carvalho, mas ele não quis gravar entrevista, alegando que não tinha nada a declarar. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Casa noturna é palco de mais um assassinato em Parauapebas

Uma casa noturna localizada no Bairro Vila Rica, em Parauapebas, foi palco mais uma vez de crime de homicídio, desta vez, contra a vida de Diego Dutra Teixeira, vítima de disparos de arma de fogo na madrugada desta quarta-feira (2), Dia de Finados.

De acordo com informações colhidas pela reportagem junto à polícia, Diego Teixeira estava se divertindo no estabelecimento noturno quando o autor dos disparos chegou, por volta das 3 horas, e o chamou para conversar.

Os dois combinaram para se encontrar numa rua atrás do clube, para onde o responsável pelo crime foi primeiro. Ao chegar ao local combinado, Diego foi surpreendido mortalmente com os disparos efetuados pelo homem até então não identificado, que montou em uma motocicleta, pilotada por outro homem que o aguardava às proximidades, e fugiu.

Segundo homicídio
Conforme revelou o delegado José Aquino, responsável pela investigação do crime, este já é o segundo homicídio que ocorre próximo ao mesmo clube, que foi palco recentemente de um baleamento. O movimento no local, que funciona em espaço aberto, costuma bloquear a rua, além de as festas frequentemente passarem do horário estipulado por portaria.

Segundo ainda o delegado, ele irá solicitar reunião com a diretoria da Seccional Urbana, o departamento da Polícia Civil que expede os alvarás de funcionamento e o órgão ambiental da cidade para se discutir como resolver este problema.

"Esse bar está se tornando local de vários homicídios. Vamos nos reunir para solicitar o fechamento ou interdição do estabelecimento”, afirmou a autoridade policial. (Vela Preta/Waldyr Silva)