quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Delegado nega possibilidade de ‘serial killer’ em Parauapebas

Depois da morte da adolescente Bárbara Lira Pereira, de apenas 13 anos, vários grupos em redes sociais, como o whatsapp, passaram a espalhar informações infundadas a respeito do autor desse e de outros crimes parecidos em Parauapebas. O delegado Thiago Carneiro, diretor da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, descartou a possibilidade de que exista um assassino “serial killer” na cidade.

“Infelizmente, grupos em redes sociais estão divulgando vários informes, causando uma verdadeira sensação de pânico na cidade”, afirma o delegado. Ele ressalta que existe um grupo de whatsapp criado exatamente para facilitar a comunicação entre a Polícia Civil e a imprensa local, a fim de evitar esse tipo de especulação.

Thiago Carneiro informou que as autoridades policiais já estão tomando as medidas necessárias para punir esse tipo de atitude, mandando intimações para pessoas que já estão sendo identificadas para responderem criminalmente por enviar mensagens falsas via celular.

Por conta da informação de que uma foto do namorado de Bárbara estaria circulando pelas redes sociais de maneira caluniosa, a reportagem questionou o diretor da 20ª Seccional a respeito do depoimento do rapaz. O delegado voltou a afirmar que as investigações seguem em sigilo, para não atrapalhar o trabalho da polícia.

Sobre rumores levantados na cidade de que os recentes casos de mulheres mortas ou violentadas em Parauapebas pudessem ter o mesmo autor, Thiago Carneiro afirmou que a polícia acredita serem casos bem diferentes. “Estamos apurando todos os casos com afinco, com o apoio de todos os delegados da Polícia Civil”, concluiu.

Outra adolescente
Surgiu mais uma adolescente vítima de violência sexual no Bairro Tropical II, em Parauapebas. Trata-se de uma jovem de 14 anos que foi estuprada dentro da própria residência, na última segunda-feira (24), e em seguida socorrida por uma vizinha, que a encaminhou para o hospital público municipal. Espancada e ainda submetida a ameaças de morte, a garota sobreviveu e se encontra internada em uma unidade de saúde.

O caso dessa adolescente está sendo também investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam).

Manifestação
Em protesto contra o alto índice de violência na cidade, um grupo de mulheres organiza para a tarde do próximo sábado (29) uma manifestação pelas ruas de Parauapebas. O protesto deve cobrar das autoridades mais segurança para o município. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Polícia prende quadrilha de assaltantes

Uma guarnição da Polícia Militar prendeu por volta das 10 horas de quarta-feira (26), em Parauapebas, cinco homens acusados de assaltar um açougue e levar mais de R$ 9 mil em dinheiro e joia. Após o assalto, o bando roubou também uma motocicleta modelo Biz e chegou a trocar tiros com uma equipe da Polícia Civil, com a qual se deparou.

Os acusados são os indivíduos Thiago Silva de Lima, 22 anos; Rafael Silva de Brito, 18 anos; Rafael Serafim, 26 anos; Edmilson Serafim de Seixas, 28 anos; e Erick Kevim dos Santos, 19 anos. Depois de presos, alguns deles foram reconhecidos pelo dono do estabelecimento assaltado.

O bando roubou a quantia de R$ 4.880 e uma corrente de ouro no valor de R$ 4.500 durante o assalto ao açougue. Na tentativa de fuga, se viram obrigados a abandonar as três motocicletas que pilotavam, incluindo a Biz, roubada no momento em que fugiam, um revólver calibre 38 e os produtos do roubo. Segundo o tenente PM Costa, eles também estariam consumindo drogas no interior do domicílio.

Ouvido pela reportagem, Thiago Lima negou participação no roubo, mas admitiu que ele estava consumindo na casa onde foram presos. Ele afirmou não saber de quem eram as armas encontradas. “Não roubei nada”, disse Thiago. Rafael Serafim também negou qualquer envolvimento.

Francisco Chagas, dono do açougue, relatou que os assaltantes estavam armados e agiram com violência, chegando a levar clientes para a residência do proprietário e os fizeram deitar no chão. (Vela Preta/Waldyr Silva)

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Dono de boate é assassinado dentro do próprio estabelecimento

A Polícia Civil de Parauapebas trabalha em cima de várias linhas de investigação para tentar descobrir os autores dos três disparos que mataram Cleber Maracaipe Bezerra, de 27 anos.

Conhecido como “Fofo”, Cleber Bezerra era proprietário de uma casa noturna localizada no Bairro Guanabara, onde foi alvejado por volta de 1 hora da madrugada do último sábado (22).

“As primeiras informações dão conta que dois indivíduos chegaram numa moto e um deles efetuou três disparos de arma de fogo contra a vítima, que veio a óbito no local”, relata o delegado Thiago Carneiro, diretor da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil em Parauapebas.

A polícia instaurou inquérito para apurar todas as possíveis linhas de investigação. “Sabemos que a vítima era uma pessoa de personalidade forte e dona de uma boate que estava em ascensão na cidade. Era comum ele ter discussões com clientes que não queriam pagar a conta”, informa o delegado plantonista Paulo Junqueira.

Há 15 dias, segundo o delegado, Cleber teve uma discussão muito forte com um rapaz que não quis pagar a conta no estabelecimento dele. O cliente teria ameaçado retornar ao local e fazer alguma coisa contra a vida do proprietário da casa noturna.

Segundo ainda a polícia, “Fofo” também já foi usuário de drogas e teve uma recaída ainda este ano, quando passou quatro meses usando entorpecentes. “Precisamos saber se ele ficou com alguma dívida com traficantes”, acrescenta Paulo Junqueira.

Ele acrescenta que a vítima já havia sido presa por cárcere privado, na época em que era dono de uma boate no município de Tucumã, onde mantinha algumas garotas de programa presas e que só podiam sair com a autorização dele.

Outra situação que vem sendo apurada pela Polícia Civil é o fato de um rapaz ter sido preso dentro da boate de “Fofo” por tráfico de drogas. Na época, o dono do estabelecimento foi conduzido até a delegacia junto com o acusado, mas logo foi liberado. Na semana em que o rapaz havia sido preso, um bilhete chegou até a boate ameaçando a vítima por conta da prisão.
“Ele era um cara famoso na cidade, conhecido e benquisto por suas funcionárias, mas seu estilo de vida era de alguém que tinha várias desavenças. Estamos fazendo levantamento de todas essas situações até chegarmos a um verdadeiro autor do crime”, conclui o delegado Paulo Junqueira, acrescentando que a polícia ouviu as mulheres que trabalham na boate e está apurando imagens das câmeras do estabelecimento e das ruas que ficam próximas ao local do crime. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Amigos e familiares demonstraram dor e revolta no enterro de adolescente

Aos gritos de “justiça, justiça, justiça!”, amigos e familiares da jovem Bárbara Lira Pereira, 13 anos, encontrada morta na manhã do último sábado (22), demonstraram dor e revolta durante o enterro da adolescente assassinada, que aconteceu nesta segunda-feira (24), em Parauapebas.

A cena do crime leva a crer que a vítima foi abusada sexualmente antes de ter sido assassinada a facadas. Um inquérito policial foi instaurado e agora a polícia tem prazo de 30 dias para tentar identificar o autor do homicídio e prendê-lo.

O corpo da garota foi encontrado por funcionários de uma obra perto da Praça da Bíblia, no Morro dos Ventos, por volta das 10 horas de sábado (22). Depois de encontrarem a menina já sem vida, os trabalhadores procuraram a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil para informar sobre o cadáver.

Segundo o delegado Thiago Carneiro, diretor da 20ª Seccional, a maior parte das informações corre em segredo de justiça, com intuito de não atrapalhar as investigações. Ele diz que o corpo da adolescente foi periciado e passou por exame sexológico forense e necropsia.

O delegado plantonista Paulo Junqueira informou à reportagem que o corpo da jovem apresentava aspectos que havia acontecido estupro antes da garota ser morta. “A calcinha estava ao lado do corpo, a saia estava levantada e havia uma embalagem de camisinha ao lado da vítima”, conta o delegado, acrescentando que Bárbara foi assassinada com dois golpes de faca, um no pescoço e outro no peito.

De acordo com informações cedidas por familiares de Bárbara, a vítima saiu da residência por volta das 23 horas da última sexta-feira (21) para atender a um encontro marcado através do aplicativo whatsapp.

Câmeras de segurança de estabelecimentos comerciais próximos da casa da garota registraram o momento em que ela saiu de casa, montada na garupa de uma moto modelo Biz de cor branca, para rumo desconhecido, com um homem que ainda não foi identificado pelas autoridades policiais.

“Temos notícias de que ela teria recebido mensagens pelo whatsapp, para um encontro. Mas todas as linhas de investigação estão sendo apuradas. Não podemos dar nenhuma certeza, porque é preciso verificar todo tipo de informação até chegar a uma conclusão, para indiciar o autor e pedir a preventiva dele”, completa o delegado Paulo Junqueira.

A adolescente tinha um namorado de 16 anos e o relacionamento tinha o consentimento da família, sendo que os dois estavam pensando em marcar noivado em breve. O namorado de Bárbara afirmou que a última vez que viu a garota foi na quarta-feira (19), porém, não suspeitou de nada em relação ao crime cometido há dois dias depois. A menina era evangélica, congregava na Igreja Deus é Amor e estudava na escola municipal Carlos Henrique. (Vela Preta/Waldyr Silva)

domingo, 23 de novembro de 2014

Polícia apreende carga de madeira ilegal

A Polícia Civil apreendeu na madrugada de sexta-feira (21) um carregamento de madeira ilegal que estava sendo transportada em um caminhão na zona rural do município de Parauapebas.

Os policiais desconfiam que a madeira seja da espécie castanheira e estimam a quantidade de 25 metros cúbicos. “Vamos apurar, no decorrer do inquérito policial, para saber a origem e o destino final dessa madeira”, explica o delegado Thiago Carneiro, diretor da 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

No momento da apreensão da madeira foi preso, em flagrante delito, o motorista do caminhão que transportava a carga, Jeferson Lopes da Silva. “Conseguimos obter êxito tanto na prisão quanto na apreensão do referido material”, afirma o delegado, que se preparava para ouvir em depoimento o acusado.

Segundo a polícia, o motorista não apresentou nenhum documento legal autorizando o transporte da mercadoria. “Muitos desses transportes tentam driblar tanto a fiscalização federal, neste caso, o Ibama, quanto a polícia, mas estamos atentos para efetuar as prisões desses indivíduos”, promete a autoridade policial.

De acordo com a Promotoria de Justiça da Defesa da Probidade Administrativa, a castanheira não pode ser comercializada, visto que é uma espécie de madeira em processo de extinção e protegida pela Lei nº 9.605/98, que dispõe sobre crimes ambientais. (Vela Preta/Waldyr Silva)

sábado, 22 de novembro de 2014

Tatuador é assassinado com dois disparos

O tatuador José Fernando Morais Santos, 21 anos, foi assassinado a tiros dentro de um bar no Bairro dos Minérios, em Parauapebas. O rapaz teria sido chamado para fazer uma tatuagem naquele local. Familiares acreditam que ele tenha sido vítima de uma armadilha.

De acordo com a mãe da vítima, um rapaz teria ido até a casa deles, na quarta-feira (19), para chamar José Fernando, que foi com ele de carona na garupa de uma motocicleta.

“Ainda falei: meu filho, cuidado. Mas ele disse pra eu não me preocupar, pois iria terminar uma tatuagem que havia iniciado no dia anterior, e que voltaria logo”, explicou Antônia de Fátima Morais Santos, mãe do tatuador.

Ela acrescenta que depois disso recebeu a notícia de que o filho havia sido vítima de disparos de arma de fogo por volta das 21 horas de quarta-feira (19). O rapaz ainda chegou a ser levado com vida para um hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta das 4 horas da madrugada de quinta-feira (20).

Segundo Eliomar Santos, pai de José Fernando, a pessoa que levou o filho dele de moto tem o prenome de William e trabalha em uma borracharia da cidade. Ele descreve que o homem que disparou duas vezes à queima roupa contra a vítima era alto, magro, branco e pilotava uma motocicleta modelo Bros, de cor vermelha.

Conforme ainda a família, José Fernando já havia enfrentado problemas com o vício nas drogas. Porém, o rapaz teria passado pouco mais de seis meses em um tratamento no Estado de Minas Gerais, onde conseguiu alcançar a recuperação.

O pai de José Fernando e a proprietária do bar onde a vítima estava no momento do assassinato ficaram de ser ouvidos pela Polícia Civil de Parauapebas. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Três farmácias são roubadas em um só dia

Encontra-se preso na carceragem do Bairro Rio Verde, em Parauapebas, desde a última quarta-feira (19), o indivíduo Fábio Fagner Andrade Sales (foto), de 19 anos, suspeito de assaltar três farmácias na cidade, na companhia de outros dois elementos, que se encontram em liberdade.

De acordo com o sargento PM Ademilson, o assaltante foi pego com a ajuda de funcionários que trabalham na segurança de uma das farmácias assaltadas e populares que estavam próximos no momento do ocorrido. “Ele vai fazendo, mas um dia a casa cai, e hoje não foi diferente. A casa dele caiu”, afirmou o policial.

Fábio Fagner foi apresentado pela guarnição da Polícia Militar na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, onde ficou preso enquanto aguardava transferência para Rio Verde.

Segundo informou a polícia, Fábio ‘derrubou’ quem são os outros dois e agora é uma questão de tempo para a dupla fazer companhia a Fábio Fagner no xadrez.

Os proprietários de duas farmácias assaltadas compareceram à delegacia para registrar a ocorrência. Os suspeitos utilizavam uma motocicleta modelo Bros, seminova, para cometer os assaltos. A polícia apreendeu a moto e descobriu que o veículo também era produto de roubo. “Eles haviam roubado para praticar assaltos na cidade”, revelou o sargento Ademilson.

Ouvido pela reportagem, Fábio afirmou que estava com apenas mais uma pessoa durante os assaltos. Ainda segundo o acusado, eles roubaram dois estabelecimentos e não três, como afirma a polícia. Fábio respondeu também que veio do Piauí e mora há dois anos em Parauapebas. Ele alega que é a primeira vez que participa de um assalto. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Homem tenta entregar droga para detentos e é preso também

Ao tentar repassar um pequeno pacote com substância entorpecente aos presos custodiados na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, em Parauapebas, por volta das 13 horas de terça-feira (18), Bezaliel Ferreira de Souza foi preso em flagrante delito.

O suspeito foi abordado e apresentado por um escrivão de Polícia Civil, que percebeu a presença dele conversando com os presos e questionou se ele tinha autorização para entrar naquela área.

Ao ser interrogado, Bezaliel respondeu que não e também não soube explicar o motivo de estar ali. Em seguida, ele foi submetido a uma revista, quando o policial encontrou no bolso da bermuda do suspeito uma embalagem de papel contendo certa quantidade de uma substância esverdeada e com forte odor, provavelmente maconha, pesando 11 gramas.

Os policiais também desconfiaram que Bezaliel pudesse ter repassado algum tipo de armamento aos custodiados. Porém, a suspeita foi descartada, depois que os policiais vasculharam a cela provisória destinada aos custodiados em flagrante na 20ª Seccional.

A polícia destacou que nesta cela estão detidos presos de alta periculosidade, envolvidos em crimes como homicídio e tráfico de drogas. Bezaliel não portava nenhum documento pessoal no momento da abordagem e, segundo informações, seria encaminhado para a carceragem do Bairro Rio Verde. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Polícia prende dois homens acusados de matar pastor

Davi Rodrigues Cabral e Fabrício Tomé da Silva foram presos na madrugada do último domingo (16), com várias armas de fogo, munições, drogas e veículos encontrados em locais diferentes. Os dois são suspeitos de envolvimento na morte do pastor evangélico Raimundo Nonato Rodrigues da Silva, alvejado com cinco tiros no dia 15 de outubro. A Polícia Civil acredita que eles não sejam os únicos envolvidos no homicídio.

“Desencadeamos a investigação desde o dia do crime, um mês atrás, seguindo todas as informações recebidas, inclusive a análise das localizações dos suspeitos. Fizemos campanas e diligências nas ruas para confirmar os endereços, chegando a identificar dois dos autores”, reforça a delegada plantonista Raissa Belebone.

Davi Cabral e Fabrício Silva foram presos na mesma casa, no Bairro Tropical I, Parauapebas. Davi é casado com a mãe de Fabrício. Apesar de ainda haver controvérsias, a polícia suspeita que a motivação do crime tenha sido vingança.

“Obtivemos a informação de que algum tempo atrás o pastor teria invadido uma festa que Fabrício estava organizando, revistou todo mundo e levou alguns pertences, como se fosse policial, ameaçando o Fabrício de morte no final. Depois dessa ameaça, Fabrício comunicou Davi e eles se organizaram para praticar o crime”, conta a delegada.

Operação “Apocalipse”
A operação “Apocalipse” foi deflagrada durante o final de semana e teve como objetivo o cumprimento de quatro mandados de busca e de dois mandados de prisão, sendo esses últimos para Davi e Fabrício. A delegada Raissa informa que dos quatro alvos dos mandados de busca em três foram encontradas armas de fogo.

O primeiro alvo foi a residência de outro suspeito, no mesmo bairro em que o veículo do pastor Raimundo Nonato foi abandonado. Ali a polícia apreendeu um revólver calibre 22 e prendeu em flagrante Everton Ferraz.

Em seguida, a equipe policial se dirigiu ao segundo alvo, um depósito de gás desativado, mas nada foi encontrado no local. Como terceiro alvo, foi abordada a casa onde estavam Davi e Fabrício, onde a polícia se deparou com espingarda, munições, quantidade de drogas, vários documentos, carro e duas motocicletas.

Por fim, a operação chegou até uma residência na zona rural, onde provavelmente morava Davi e esposa. Nessa casa, a polícia achou uma grande quantidade de armamentos, inclusive uma pistola calibre 380 que os policiais acreditam ter sido utilizada para assassinar o pastor.

Acusados
Os dois acusados foram ouvidos pela polícia logo após a prisão. De acordo com a delegada Raissa, Davi negou qualquer participação no homicídio do pastor evangélico. Ele confirmou que estava na cidade na data em que o crime ocorreu, mas alegou que não tinha nada contra o religioso.

Enquanto isso, Fabrício confessou seu envolvimento, mas afirmou que apenas ficou responsável por esconder o carro da vítima, encontrado no mesmo dia em que o corpo do presbítero foi achado. Segundo a Polícia Civil, Davi Cabral também foi autuado por corrupção ativa, pois chegou a fazer uma proposta de R$ 100 mil aos policiais na tentativa de não ser preso.

Homicídio
O pastor evangélico Raimundo Nonato foi encontrado morto na manhã do dia 15 de outubro, no Bairro Cidade Jardim, Parauapebas. Ele levou cinco tiros na cabeça, em frente a uma obra onde trabalhava como empreiteiro. O líder religioso era membro da igreja Assembleia de Deus Madureira.

A princípio, a polícia acreditou tratar-se de latrocínio (roubo seguido de morte), visto que o carro e alguns pertences do pastor haviam desaparecido. Porém, no mesmo dia policiais encontraram o veículo em outro bairro. (Vela Preta/Waldyr Silva)

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Criança que sofreu choque elétrico já recebeu alta

Uma criança de 5 anos de idade sofreu uma descarga elétrica ao encostar em um fio colocado em uma das grades da quadra de esporte que passa por reformas na Praça Dom Pedro I, Bairro Rio Verde, em Parauapebas. O menino foi internado no hospital público municipal, recebeu alta e passa bem. O acidente ocorreu na manhã da última segunda-feira (17).

A criança ficou com uma das mãos grudada na grade da quadra, por conta do choque elétrico. Uma mulher que mora próximo do local conta que viu a cena e correu para socorrer. Quando o menino conseguiu se soltar, Rosana Pereira dos Santos o pegou no colo e o levou para a mãe dele. “Ele conseguiu se soltar, mas começou a ficar todo durinho”, revelou.

Segundo a moradora, a criança já sofre de uma enfermidade nos rins e havia chegado recentemente de Belém, após tratamento. Outro vizinho explica que o fio que teria provocado o acidente foi colocado para inibir o roubo das máquinas que operam na reforma da quadra e ficam guardadas no local durante a noite. “Cortamos o fio no momento do desespero. Muita gente está revoltada com isso”, afirma Marcelo Fernandes.

Nota da prefeitura
A Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semurb), enviou nota à imprensa confirmando que a referida praça passa por reforma, cuja obra está sendo realizada por uma empresa contratada.

“Uma equipe do setor de elétrica da Semurb está fazendo o levantamento técnico no local para identificar o que levou ao acidente. Caso seja constatada imprudência por parte da empresa contratada, um procedimento administrativo será aberto e as medidas cabíveis serão tomadas”, diz a nota. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Aposta em bilhar acaba em assassinato

Até esta terça-feira (18), a polícia ainda não havia identificado e colocado atrás das grades o matador de Valdeir Pereira de Sá, de 44 anos, que na noite do último sábado (15) foi assassinado a facadas durante discussão em um bar localizado na Rua Novo Paraíso, Bairro Betânia, em Parauapebas.

Segundo informações de pessoas que estavam no estabelecimento, a vítima jogava sinuca com um indivíduo identificado apenas como “Olhinho”, que figura como principal suspeito de ter desferido os golpes de faca em Valdeir Pereira.

A motivação da briga teria sido uma aposta que os dois fizeram durante a partida. Outros comentam que já havia um desentendimento anterior entre Valdeir e o suspeito, o que pode ter contribuído para o homicídio. O dono do bar, que não quis falar com a equipe de reportagem, ficou de ser ouvido pela Polícia Civil na segunda-feira (17).

O superintendente regional de Polícia Civil em Parauapebas, delegado Marcelo Delgado, informou à reportagem que existe a possibilidade de o estabelecimento ser fechado. (Vela Preta/Waldyr Silva)