terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Comerciante mata colega de bebedeira com tiro de revólver

Encontra-se preso, à disposição da Justiça, desde a madrugada desta segunda-feira (1º), ainda em flagrante, pela Polícia Civil de Parauapebas, o comerciante Raimundo dos Santos Oliveira, de 48 anos, acusado de ter matado com um tiro de revólver calibre 38 o técnico em refrigeração Darley Feitosa da Silva, de 19 anos.

O homicídio ocorreu por volta das 21h30 de domingo (31) na esquina das ruas Ângelo Diniz e Manoel Garrincha, Bairro Guanabara.

Após cometer o crime, Raimundo Oliveira foi embora para a casa dele, localizada na Rua Daniela Perez, no mesmo bairro, mas a polícia já estava atrás dele e o prendeu horas depois.

Conforme apurou o delegado Paulo Junqueira, a vítima e o acusado estavam bebendo juntos em um bar. A certa altura, Darley Silva sentiu falta de seu celular e passou a acusar Raimundo pelo furto. Daí iniciou uma discussão entre os dois, passando para agressão física. Raimundo, que estava armado, acabou atirando e acertando Darley, que morreu na hora.

De acordo ainda com o delegado, o comerciante justificou que não tinha intenção de matar o colega de bar, apenas assustar, e tentando dar um tiro para o alto. A polícia lavrou auto de prisão em flagrante e encaminhou o acusado para a carceragem do Bairro Rio Verde. (Vela Preta/Waldyr Silva)

sábado, 30 de janeiro de 2016

Polícia detém nove pessoas suspeitas de praticar crimes na cidade

Guarnições das polícias Militar e Civil detiveram nove pessoas por volta das 23 horas da última quinta-feira (28), numa residência localizada na Rua Grajaú, Bairro Casas Populares I, em Parauapebas, suspeitas de envolvimento com assalto e tráfico de drogas.

De acordo com o delegado André Tavares, a polícia recebeu informação dando conta que na residência havia várias pessoas consumindo bebida alcoólica e usando droga.

Ao chegar ao local e fazer abordagem nas pessoas presentes, os policiais encontraram pequena quantidade de crack, aparelhos de celular e um revólver calibre 38, e conduziram as nove pessoas para prestar esclarecimento na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

Em depoimento à polícia, Afonso Henrique Silva de Lima, conhecido por “Maga Velha”, assumiu que a arma encontrada era sua e que estava usando para praticar assalto na cidade. Segundo a polícia, o acusado é assaltante conhecido, já tendo passado uma pequena temporada na carceragem do Bairro Rio Verde.

Questionado sobre a origem da arma, “Maga Velha” revelou que a comprou em Parauapebas por R$ 600. Ele assume a prática de dois assaltos, mas nega que tenha ferido alguém com o revólver.

Foi presa também a mulher Gleycendia dos Santos, que estava guardando a arma para “Maga Velha” na casa dela, a pedido do marido, Rafael de Alencar, que se encontra preso no Crrama, em Marabá.

Na avaliação do delegado André Tavares, se o marido preso estiver mantendo contato com a mulher, a partir da cadeia, isso será repassado ao Judiciário e Rafael pode perder direitos, como uma futura liberdade condicional, por exemplo.

Uma terceira pessoa também foi ouvida por portar pequena quantidade de maconha. Como a porção da droga não chegava a pesar um grama, a autoridade policial adiantou que o homem não seria autuado por tráfico e foi liberado, da mesma forma que os outros detidos. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Acusado de assalto é solto, pratica crime novamente e retorna para cadeia

Há poucos dias beneficiado com alvará de soltura, William Alves de Macedo, de 23 anos, volta a praticar assalto, é reconhecido por uma das vítimas e volta para cadeia pública de Parauapebas.

De acordo com Leandro da Silva Alexandre, uma das vítimas do acusado, era por volta de 16 horas da última terça-feira (26) quando dois indivíduos chegaram ao seu estabele-cimento comercial, montados numa moto Honda Biz, placa OSZ-8275 e cor rosa.

A vítima conta que um dos homens entrou no estabelecimento comercial, mostrou a arma que portava na cintura e anunciou o assalto, exigindo aparelhos de celular e o dinheiro do caixa, e empreendeu fuga com o comparsa. Após o assalto, Leandro Alexandre disse ter ligado para a polícia e passou as características físicas e identificação da motocicleta.

De posse da placa da moto, os policiais chegaram até a proprietária, Joceane dos Santos Costa, que alegou ter emprestado o veículo para William, cujo endereço foi repassado para a guarnição da Polícia Militar.

Os policiais foram até a residência indicada, mas o acusado não estava no local. Na revista feita no interior da casa, a polícia encontrou o alvará de soltura de Wiliam, que saiu recentemente da cadeia. (Vela Preta/Waldyr Silva)

sábado, 23 de janeiro de 2016

Mototaxista bate de frente com motoqueiro e este vem a óbito

Após provocar a batida entre duas motocicletas, que acabou provocando a morte, ainda no local do acidente, de Edimael Fernandes Sousa, de 30 anos, o mototaxista Jefferson de Almeida Amaral foi preso em flagrante delito. O acidente aconteceu no final da madrugada da última quinta-feira (21) na Rua São Luiz Gonzaga, no Bairro da Paz, em Parauapebas.

De acordo com o delegado Nelson Alves Júnior, a polícia recebeu a informação sobre o acidente por volta de 5 horas. Ao chegar ao local, os investigadores encontraram uma pessoa em óbito e conduziram o mototaxista Jefferson Amaral até a delegacia, onde ele alegou que Edimael, em companhia de outra pessoa, o teria assaltado.

Jefferson contou que, após ter sido assaltado, seguiu os suspeitos e conseguiu interceptá-los, jogando a moto dele contra a de Edimael, que ao cair acabou tendo morte instantânea. "Até agora só temos o depoimento do mototaxista”, diz o delegado, acrescentando que o suspeito foi autuado de início por lesão corporal seguida de morte, com fiança arbitrada em R$ 2 mil.

No local do acidente os investigadores encontram uma faca, que o mototaxista alega ser da vítima. "Vamos intimar a família para saber sobre a vida de Edimael, que não tem nenhuma passagem pela polícia”.

Em declarações prestadas à reportagem, Jefferson Amaral reafirmou a declaração que deu à polícia, assegurando que não provocou o acidente de forma intencional e que não teve intenção de matar a vítima. O mototaxista disse que tudo começou quando ele fez corrida para uma mulher, que seria amiga de Edimael Sousa.

Jefferson declarou ainda que ao chegar a determinado ponto dois homens se aproximaram e o assaltaram, sendo que um deles seria a vítima, levando R$ 250 dele. “Comecei a segui-lo e acabou acontecendo o acidente”, revela, dizendo que trabalha há três anos como mototaxista em Parauapebas. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Ainda repercute na região morte de jovem vendedor de tinta em acidente rodoviário

Ainda repercute na região o trágico acidente rodoviário que ceifou a vida do vendedor de tintas Adriano Logo Pinto da Silva, de 21 anos, ao colidir o carro que dirigia contra um poste na estrada de acesso ao projeto de cobre S11D, município de Canaã dos Carajás, no final da manhã da última terça-feira (19).

Com a batida, o poste foi arrancado e caiu encima do carro, provocando a morte instantânea de Adriano Silva, que ficou preso entre as ferragens do veículo.

Ateumir José Pereira da Silva, atual presidente da Associação de Moradores do Bairro Liberdade, em Parauapebas, e pai da vitima, explica que o filho trabalhava como vendedor em uma empresa de tintas e estava transportando uma carga de tiner para uma obra do projeto S11D. Nas proximidades do local de entrega da mercadoria, ele perdeu o controle do veículo que dirigia, uma picape Strada (placa QDK 8299), e colidiu com o poste.

"Não existe dor maior que perder um filho", lamenta Ateumir José, revelando que Adriano, que trabalhava há três anos na empresa, planejava casar-se em breve. (Vela Preta/Waldyr Silva)

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Brigadista de incêndio e comparsa são presos acusados de assaltos

Uma equipe das polícias Civil e Militar, composta pelo investigador Valmir, cabo PM Aurélio e soldado PM Alencar, prendeu na madrugada desta segunda-feira (18) Haroldo Leandro Rodrigues Ferreira, de 31 anos, brigadista de incêndio, e Francisco de Sousa, 32 anos, acusados de fazer arrastão pela cidade, assaltando com uma arma de pressão.

De acordo com a Polícia Civil, uma das ações da dupla aconteceu na Rua Belém, Bairro Primavera, em Parauapebas, de onde as vítimas seguiram os bandidos e repassaram para polícia as características dos acusados, que estavam agindo em um veículo Renault Clio de cor vermelha.

De posse das informações, os policiais fizeram diligências e os dois foram localizados e presos na Rua 14, Bairro União, portando quatro aparelhos de celular, uma pistola de pressão e o carro.

Uma das vítimas, que não quis se identificar, explicou que estava chegando de moto com um colega à residência de um amigo, quando foram abordados pelos dois homens com a arma.

"Eles pegaram nossas carteiras, celular e a chave da moto", relata a vítima, acrescentando que após o assalto eles foram até o apartamento do amigo e os três saíram de carro atrás dos bandidos.

Minutos depois, eles conseguiram localizar a dupla e avisaram a polícia, que prendeu os suspeitos. As câmeras de videomonitoramento do Centro de Controle Operacional também identificaram o veículo e os acusados.

Segundo o delegado André Tavares, os dois acusados vão responder pelo artigo 157, majorado pelo emprego de arma, ainda que de pressão, porque ela também causa ferimentos na vítima.

Em depoimento à polícia, Haroldo Leandro confirmou que é brigadista de incêndio e trabalha em Carajás, na empresa Resgate. (Vela Preta/Waldyr Silva)