quinta-feira, 21 de maio de 2015

Sete detentos da carceragem de Parauapebas recebem batismo

Membros da Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Missão batizaram no início da semana sete internos da carceragem do Bairro Rio Verde, em Parauapebas. Conforme revelou a missionária Rosana dos Santos, este foi o segundo batismo coletivo ministrado no local em menos de um mês.

"Resolvemos trazer o batismo para dentro da carceragem porque eles estão impossibilitados de irem até as igrejas", comentou a missionária, explicando que o batismo, para a crença cristã, significa que o homem se torna uma nova criatura em Jesus Cristo e passa a ser membro da igreja.

Segundo ela, em todas as segundas-feiras são pregados cultos nas celas do presídio. “A Bíblia diz que a palavra de Deus tem o poder de libertar, transformar e restaurar. Eles entram aqui como homicidas, estupradores, traficantes, mas saem como homens de Deus”.

Rosana dos Santos destaca que é dentro da cela que se demonstra aos internos o quanto foram erradas as atitudes deles do lado de fora. "Demonstramos que o que eles fazem lá fora é errado e que não traz beneficio para eles. A cadeia os priva da liberdade, e tudo que o homem não pode ser privado é da própria liberdade”.

O interno João Tavares foi um dos batizados e contou com alegria que sentiu uma emoção muito grande no coração. Ele cumpre pena há mais de um ano e afirma que já era evangélico, mas nunca havia sido batizado nas águas. "Quando sair daqui eu vou seguir a religião”, prometeu.

Raimundo Nonato também pretende seguir os mesmos passos do colega de cela, afirmando que aceitar Jesus no coração é maravilhoso. “Eu era evangélico, mas nunca havia sido batizado”. Ele diz que, antes de ser preso, já entendia bastante a palavra de Deus e, por isso, optou por ser batizado. "Decidi me batizar porque sinto que chegou a minha hora de aceitar Jesus definitivamente", afirma, informando que está recluso há aproximadamente dois meses.

José Willians Cordeiro, diretor da carceragem, explicou que a entrada dos evangélicos na casa penal visa minimizar o sofrimento dos internos, uma vez que esse contato com Deus é de suma importância para alguns. “Aqui temos exemplos de vários internos com vários crimes diferentes, e essa proximidade com Deus faz com que eles levem a paz para dentro das celas”. (Vela Preta/Waldyr Silva)

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Polícia apreende arsenal de armas, drogas e prende suspeitos em Canaã


Com apoio da Polícia Militar, uma equipe da Polícia Civil cumpriu na última segunda-feira (18) cinco mandados de busca e apreensão na vila Nova Jerusalém, município de Canaã dos Carajás, e apreendeu um arsenal de armas.

De acordo com o delegado Thiago Carneiro, superintendente regional de Polícia Civil em Parauapebas, as armas e munições apreendidas são dois revólveres calibre 38, uma espingarda calibre 12, outra calibre 28, uma calibre 22, uma espingarda de pressão, dois coletes balísticos, 46 munições calibre 12, vinte e cinco munições calibre 32, três calibre 20, quatorze calibre 36 e 18 munições calibre 38.

Junto com armamento e munições, a polícia deteve e colocou à disposição da Justiça os indivíduos João da Conceição, presidente da Associação Nova Jerusalém, localizada próximo à Vila Planalto, a 15 quilômetros de Canaã dos Carajás, na Rodovia PA 160; e Adriano Fernando Martins, integrante também da diretoria da associação.

A operação foi comandada pelo delegado Fabrycio, investigadores Frailan e Priscila e escrivão Rui, sob a coordenação da Superintendência Regional de Polícia Civil em Parauapebas.

Tráfico de drogas
Nesta quarta-feira (20), as polícias Civil e Militar prenderam em flagrante delito o indivíduo Robson Fernandes da Silva, conhecido por “Robinho”, pelo crime de tráfico de drogas, portando 14 gramas de cocaína, 21 comprimidos de droga sintética e quantia em dinheiro supostamente oriunda do tráfico de drogas.

Conforme informou o delegado Thiago Carneiro, a prisão de “Robinho” ocorreu na Rua dos Correios, centro da cidade. Segundo ainda a polícia, o acusado utilizava um depósito de bebidas para comercializar as substâncias entorpecentes. (Thiago Carneiro/Waldyr Silva)

terça-feira, 19 de maio de 2015

Mulher é executada a pauladas

Ainda repercute em Parauapebas o brutal assassinato da evangélica Irene Xavier da Cruz, de 39 anos, que foi morta a pauladas na madrugada desta segunda-feira (18) na Rua Marechal Rondon, Bairro Rio Verde. Irene Xavier foi executada no quintal de uma casa da rua, enquanto tentava fugir do assassino.

De acordo com uma testemunha do crime, que pediu para não ser identificada, o assassino é um homem de cor morena, magro e alto, com idade em torno de 30 anos. Ele usava um boné amarelo e pilotava uma motocicleta Honda Biz.

A dona de casa conta que acordou por volta das 5 horas da manhã com os gritos de socorro da vítima. “Só ouvi quando ela pediu socorro e acho que, tentando escapar, ela pulou e caiu aqui. Abri a porta e vi o cara. Acho que, para ter certeza se tinha matado ela, ele pulou o portão e foi embora em uma moto".

Segundo ainda a testemunha, o homem ainda a ameaçou quando ela tentou intervir. "Quando ele viu que eu abri a porta e perguntei o que estava acontecendo, ele disse que não era para eu me meter porque ele ia meter bala", declarou, acrescentando, no entanto, acreditar que o assassino não estivesse armado.

Ela acrescenta que o marido dela também perguntou o que estava havendo, ao que o homicida respondeu que "mulher vagabunda tinha que morrer”. A bicicleta da vitima foi encontrada do lado de fora do quintal. A testemunha afirma não ter ouvido Irene gritar nenhum nome. "Ela só pedia socorro mesmo, foi quando percebi que o barulho era dentro da minha casa".

À reportagem, o cabo PM Valtoni contou que Irene Xavier havia levado a filha até o ponto de ônibus, já que a menina iria para um curso que está fazendo. A mulher retornava para casa quando foi atacada, já perto de sua moradia. "No retorno aconteceu esse episódio próximo da casa. Não sabemos se ele estava esperando ela", comentou o policial, acreditando que o crime possa ter sido passional.

Tão logo o homicida fugiu do local do crime, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas quando a ambulância chegou a vítima já estava morta. Ao lado do corpo foi encontrado um pedaço de ripa, com alguns pregos, que foi removido pelo Centro de Perícias Científicas "Renato Chaves" para análise. (Vela Preta/Waldyr Silva)

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Motoqueiros se chocam e um deles é atropelado por um automóvel

A colisão de duas motocicletas e um veículo Gol na Rodovia PA 275, na manhã do último domingo (17), em Parauapebas, resultou na morte de Elias Álvaro Araújo, mais conhecido como “Galego”.

Segundo informações da testemunha Biraci Pereira de Oliveira, “Galego” entrou na rodovia, em frente a um supermercado, e acabou colidindo com outra moto, que seguia sentido Curionópolis/Parauapebas.

A testemunha conta que estava atrás quando o rapaz da moto entrou na pista, não conseguiu passar e bateu na moto que vinha no outro lado. “Um veículo Gol [placa JIT 7016 Eldorado do Carajás] que vinha atrás ainda freou para não pegar nele, mas não deu tempo”, comentou Biraci Pereira, acrescentando que Elias ficou preso em baixo do carro. “Ele bateu e saiu rolando, mas o carro ficou em cima. Ajudamos a levantar o veículo para tentar tirar o rapaz de baixo, mas ele já estava ruim’’, lamentou.

De acordo ainda com Biraci Pereira, a vítima ainda passou cerca de 20 minutos viva. Um casal que estava na moto em que Elias colidiu foi socorrido e encaminhado para o Hospital Municipal de Parauapebas, aparentemente estável. (Vela Preta/Waldyr Silva)

domingo, 17 de maio de 2015

Polícia prende dupla com droga e dinheiro

Numa operação comandada pelo delegado Fabrycio e investigadores Frailan e Bruce, sob a coordenação da Superintendência Regional de Parauapebas, a Polícia Civil deslanchou em Canaã dos Carajás uma operação na tarde do último sábado (16) que resultou na apreensão de 500 g da droga conhecida por "oxi", 500 g de crack, 200 g de maconha, R$ 5 mil em espécie, além de veículos automotores oriundos do comércio ilícito.

O material apreendido estava em poder de Joseni Dantas de Lima, 30 anos, conhecido por “Sapateiro”, e do nacional conhecido por "Nem", um dos maiores comerciantes de drogas do município de Canaã dos Carajás.

Segundo a polícia, “Sapateiro" tem passagem pelo Centro Regional de Recuperação Agrícola Mariano Antunes (Crrama), em Marabá, e é apontado como mandante de homicídio contra a vida de um policial militar em Marabá. (Thiago Carneiro/Waldyr Silva)

Matou desafeto por causa de 30 reais

Encontra-se preso em Parauapebas, desde a última sexta-feira (15), o indivíduo Antonio Ribeiro Mota, suspeito de ter esfaqueado até a morte Antônio José Salgado Santos, na madrugada de quinta-feira (14), no Bairro Tropical II. Segundo informações do delegado Nelson Alves Júnior, titular da Divisão de Homicídios da Polícia Civil, a morte foi motivada por conta de R$ 30 e cerveja.

"Antonio Ribeiro esfaqueou a vítima em virtude de ter dado R$ 30 para Antônio José comprar uma cerveja, mas Antônio José não voltou com a cerveja. Ele [Antônio Ribeiro] se irritou, pegou uma faca e foi atrás, esfaqueando o outro por três vezes", explicou o delegado.

Segundo ainda a autoridade policial, um dos golpes atingiu um dos braços da vítima, que tentava se defender, enquanto os outros dois foram à altura da costela e da clavícula.

Logo após o homicídio, as polícias Civil e Militar foram ao local e, por meio de denúncias de moradores, conseguiram identificar o suspeito, que foi preso e encaminhado para a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil em Parauapebas. (Vela Preta/Waldyr Silva)

sábado, 16 de maio de 2015

Mulher esfaqueia e mata ex-marido


Após uma discussão entre o casal, a mulher Maria Elisete matou o ex-marido Ronaldo Carvalho Silva e foi presa pela polícia. À reportagem, ela disse estar arrependida pelo crime cometido, mas estava se sentindo aliviada, “porque eu sei que vou viver em paz agora”. O crime ocorreu na madrugada desta sexta-feira (15), no Bairro Tropical l, em Parauapebas,

Maria alega que chegou em casa do trabalho, por volta das 17h30 de quinta (14), e se assustou ao encontrar a porta da casa arrebentada. Dentro da residência havia só uma cama e uma geladeira. "Não tinha praticamente mais nada na casa. Ele carregou todas as minhas coisas para vender”, afirmou ela, acrescentando ter certeza de que o furto era obra do ex, porque essa não teria sido a primeira vez.

Ela contou que em outubro o ex-marido tinha arrebentado a casa e vendido televisão, botijão e fogão. “Prestei queixa, ele estava de condicional e recuperou a TV e o botijão, mas o fogão nunca. Depois disso ele sumiu um tempo, e agora passou a incomodar de novo", afirmou Maria Elisete, revelando que os dois viveram juntos por aproximadamente 10 anos e têm uma filha, sustentada com o trabalho dela.

"Ele bebia muito e eu acho que ele usava droga, misturava tudo. Ele trabalhava um dia e no seguinte já saía e vendia minhas coisas para suprir o vício" Ao passar novamente pela mesma situação, Maria decidiu ligar para o irmão da vítima, indo encontrá-lo em seguida em sua residência, onde encontrou também o ex.

"Encontrei ele lá e falei com ele tranquilamente, depois fui à farmácia comprar crédito para ligar para a polícia, mas quando voltei ele já não estava mais”. Ao chegar em sua residência, afirma Maria, ela se deparou com Ronaldo dormindo na calçada e diz que tentou ligar tanto para a Polícia Civil quanto para a Polícia Militar.

O primeiro telefone, segundo ela, chamou até a ligação cair. No segundo ela teria sido informada que todas as viaturas estavam ocupadas naquele momento.

"Quando ele viu que eu estava ligando para a polícia ele saiu e eu fui atrás. Quando chegamos a um clube segurei na camisa e pedi ajuda para as pessoas porque ele tinha me roubado, mas ficaram só me olhando, ninguém me ajudou”.

Os dois então teriam começado a discutir, conforme a própria autora do crime. "Ele veio para cima de mim e eu, com os nervos à flor da pele, nervosa e injuriada com as coisas que tinham sumido, agi sem pensar. Para me defender, dei uma facada nele", confessou. (Vela Preta/Waldyr Silva)

Advogada Betânia denuncia que foi barrada em carceragem


Ao ser barrada na carceragem municipal do Bairro Rio Verde, em Parauapebas, para visitar presos, a advogada Betânia Maria Amorim Viveiros, que atua há 12 anos na área criminal no município, protocolou mandado de segurança na Comarca de Parauapebas na última quinta-feira (14), alegando que está tentando garantir seu direito de ter acesso a 15 internos da cadeia do Rio Verde representados por ela. Ela declarou à imprensa que, após uma tentativa de fuga ocorrida na madrugada de quarta (13), teria sido barrada na porta da carceragem pela administração do presídio.

"Nunca vi uma administração tão catastrófica quanto essa. Já é a segunda vez que existe um impedimento e uma afronta prerrogativa onde a direção impede o advogado de ter acesso ao preso, tornando ele incomunicável, o que é proibido por legislação”, declarou Betânia Viveiros, adicionando que não teve como assegurar se seus clientes estavam bem após o ocorrido.

Segundo ainda a causídica, ela não soube o que ocorreu na tentativa de fuga dos detentos porque não recebeu informações, apesar de ela ter 15 clientes custodiados na carceragem. “A gente não consegue ver eles. Não sei se tem alguém machucado, em situação grave, se ocorreu tortura. Não tenho como ver, embora eu seja a representante legal dessas 15 pessoas”, lamentou. Ela diz que acionou a ordem dos Advogados do Brasil e conversou com o juiz Líbio Araujo Moura, titular da 3ª Vara Criminal.

Outra reclamação da advogada foi com relação ao atual diretor da casa penal, José William Freitas Cordeiro. “Ele não cumpre a lei, barra advogado e é um ditador, uma pessoa que afronta a lei, como se isso não significasse nada, como se o Estatuto da OAB fosse um lixo e como se a minha profissão não representasse nada. É uma afronta absurda, um desrespeito. Não podemos ficar calados”, disparou.

Ela diz, ainda, que no dia anterior havia mantido contato telefônico com o diretor, que teria alegado que a visita, naquele momento, ocorreria em momento delicado, porém teria se comprometido a deixar a advogada entrar no dia seguinte, o que, afirma Betânia, não ocorreu.

"As famílias estão aguardando uma resposta. O agente foi mal educado, grosseiro e disse que não seria possível. O que tem de tão especial lá que precisa ser ocultado dos olhos da representante legal dessas pessoas? Tem alguma coisa que as famílias, a promotoria ou a imprensa não podem saber o que está acontecendo?”, questionou.

Procurado pela reportagem, José William alegou que o presídio estava passando por manutenção, após ter ocorrido vandalismo por alguns internos, que teriam se aproveitado de falta de energia no prédio. Esse, segundo ele, foi o motivo de não permitir que a advogada conversasse com todos os seus clientes naquele momento.

"De forma alguma essa direção se coloca como ditadora ou prepotente, muito pelo contrário. Trabalhamos em parceria com o MP, OAB e Poder Judiciário", declarou o diretor, reiterando que a advogada Betânia não entrou na unidade por falta de segurança.

À reportagem, o presidente da Subseção da OAB em Parauapebas, Deivid Benasor, comentou que ao saber do fato procurou pessoalmente o juiz Líbio Moura. “A justificativa dele foi de que teve uma tentativa de fuga e os detentos acabaram deteriorando estrutura da cadeia". (Vela Preta/Waldyr Silva)

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Corpo encontrado no Rio Parauapebas ainda sem identificação


Até o fechamento desta matéria, ainda estava sem identificação no Instituto Médico Legal (IML) de Parauapebas o corpo de um homem que foi encontrado no Rio Parauapebas na tarde da última terça-feira (12). O cadáver do homem, aparentando ter entre 35 e 45 anos, apresentava várias perfurações provocadas por arma branca.

A Polícia Civil foi informada sobre o achado por volta das 15 horas e foi ao local, próximo ao Loteamento Água Fria, acompanhada de técnico do IML, responsável pela remoção do cadáver. Nenhum documento, no entanto, foi encontrado em posse da vítima. (Vela Preta/Waldyr Silva)